“Só” mais uma nota a propósito da arte da sedução

by escrever como?

Seduzir ou paixão são vocábulos usados com alguma frequência nestes posts e têm suscitado algumas interrogações (suspeito mesmo que alguma irritação…).

Como todo o vocábulo, estes dois carregam consigo uma história, uma tradição de uso, um sentido corrente.

MUNDO MONSTRO      ADÃO10

clicar na imagem para ampliar

Aqui assume-se tudo isso e acrescenta-se-lhes um sentido peculiar, mas nada original: o prazer de escrever (e de escrever sobre esta e aquela “coisa”), apesar de não ser condição suficiente para a qualidade do texto, é fundamental para que este brilhe, e ao brilhar, atraia atenções, seduza.

Ora, se bem que “prazer” não rime com “paixão”, a verdade é que dificilmente se passam horas frente à folha de papel (folha de papel? figura de estilo anacrónica, realmente), meses à volta dum texto, anos procurando exprimir algo, sem haver paixão.

Claro, a motivação por detrás de todo esse esforço pode ser uma obsessão e escrever uma necessidade, uma terapia, um alívio. Aí, “prazer” e “paixão” poderão ser vocábulos inapropriados, de facto.

23733_10152376235245226_1229939861_n

Quando o próprio autor recomenda ao leitor “(…) tende cautela, não vos faça mal…Que é o livro mais triste que há em Portugal!” podemos recear pelo que vamos encontrar, mas se formos surpreendidos por retratos cheios de vida e movimento “Ao pescoço serpentes de cordões, e sobre os seios entre cruzes, como espadas, Além do seu, mais trinta corações! Vá! Georges, faz-te Manel! viola ao peito. Que hão-de gostar! Tira o chapéu, silêncio! Passa a procissão” a leitura deixa de ser previsível, cria-se uma tensão entre o texto e a expectativa do leitor.

428742_374425975995285_1149485260_n

E se o autor acrescentar tópicos e inquietações invulgares, formuladas de modo original “Qu’é dos Pintores do meu país estranho, Onde estão eles que não me vêm pintar?” o livro revelará, sem desmerecer a cautela inicial, estados de espírito muito mais subtis, sugerindo outros sentidos, diferentes sensibilidades. Além dum sentido de humor admirável.

Portanto, como posso acreditar que o autor de não teve prazer ao escrevê-lo, estruturando-o com reflexão, detalhe e ousadia, ciente de assim surpreender e seduzir a leitora melancólica, levando-a a sorrir contra a vontade e, ocasionalmente, arrancando-lhe uma gargalhada?

AVISO: os livros podem provocar reacções inapropriadas. Seja prudente quando leia em público.

AVISO:
Livros podem provocar reacções inapropriadas.
Seja prudente quando leia em público.

Anúncios