Riso amargo

by escrever como?

Uma das medidas possíveis para avaliar a boa literatura está na construção de personagens que não se reduzem ao estereótipo, desafiando o leitor a enfrentar suas ideias feitas, pondo em causa a simplificação entre os ‘bons e os maus’.

-Claro que o fiz a sangue-frio, idiota...Sou um réptil

-Claro que o fiz a sangue-frio, idiota!…Sou um réptil!

Nos anteriores posts temos acompanhado alguns aspectos relevantes do livro ‘A Festa do Chivo’ de Vargas Llosa, particularmente a personagem Trujillo, encarnação literária de Rafael Trujillo, ditador da República Dominicana entre 1930 e 1961.

O resultado não deixa de ser cómico, apesar de deprimente: Vargas Llosa não só não reconhece qualquer grandiosidade neste tipo de figuras históricas, como explica a importância que têm pela mediocridade geral das pessoas que as rodeiam, deixando-nos o incómodo da nossa tendência para subestimar a força das pessoas medíocres.

davinci-balls-16-el-presidente

Deste modo, o autor presta justiça à sua personagem: permite que se apresente ao leitor como alguém ‘que se fez’ na vida e numa sociedade já marcada pela injustiça e pela ganância, de que soube aproveitar rodeando-se de outros com idêntico carácter, talvez menos corajosos, talvez menos decididos.

Conhecendo bem a imundície humana ‘da sua gente’, concentrando poder e distribuindo prémios e dinheiro a quem lhe seja útil ou fiel, o Trujillo que Vargas Llosa nos apresenta é alguém que despreza toda a gente e, por isso, não entende que possa haver melhor governo do que o dele.

Mauricio Levy

E não é por ter de si a imagem pública que o regime ditatorial criou, mas por ter a certeza de que qualquer outro, no seu lugar, faria o mesmo.

Assim, o leitor não é levado a desculpabilizar a responsabilidade histórica do ditador, nem a demonizá-lo, mas a problematizar o Mal, relativizando-o e, eventualmente, a questionar a sua ‘banalidade’.

E a colocar-se a si mesmo a questão de como é que ele, o leitor, se posicionaria frente à corrupção do poder nos seus diferentes escalões.

04_ferzat_tank

Livros com personagens assim não deixam ninguém indiferente, podendo até contribuir para o interesse do leitor pela ‘coisa pública’ e outros temas.

Anúncios